Aluno da PUC-Campinas vence competição Hackathon nos EUA

Fernando Barbosa Gomes é estudante do curso de Engenharia de Computação e faz “graduação sanduíche” por meio do programa Ciência Sem Fronteira, do governo federal, na University of Kansas (EUA). Gomes faz parte da equipe vencedora da competição Hackathon, promovida pela empresa IBM, sobre o tema IoT (Internet of Things).

IoT (Internet of Things) é um termo “quente” na computação, que traduz a ideia de que em alguns anos, a sociedade estará convivendo com milhões de aparelhos conectados à internet. E o que nós, seres humanos, faremos com tantos aparelhos? “Imagine um mundo no qual até a sua torneira é conectada à internet”, sugere Gomes, em entrevista por e-mail à reportagem da PUC-Campinas. Segundo o estudante, com todos os dados dos produtos coletados, as empresas poderiam ter o controle sobre seus produtos, como a data da venda e para quem foi vendido.

Gomes afirma, no entanto, que o sistema não favoreceria apenas produtos “supérfluos”, mas poderia salvar vidas: “Quantos aparelhos, como marca-passos, podem se tornar muito úteis na hora de salvar vidas se estiver coletando os dados dos seus usuários e analisando esses dados o tempo todo?”, indaga. “O IoT é algo de extrema importância para os próximos anos e algumas empresas estão se apressando pra conseguir o mercado dessa área”, completa.

A Hackathon foi promovida pela IBM, entre seus estagiários, com o intuito de receber ideias de fora para dentro da campanha; ideias “out of the box”. Trata-se de uma competição em que todos os estagiários da IBM, em Kansas e na Califórnia, participaram com o objetivo de desenvolver um aplicativo/idea/máquina, documentálo e apresentá-lo; tudo isso feito em oito horas.

O aluno da PUC-Campinas, Fernando Gomes, tem 20 anos e um prêmio internacional no currículo
O aluno da PUC-Campinas, Fernando Gomes, tem 20 anos e um prêmio internacional no currículo

Cinco equipes de três a quatro pessoas participaram da competição. Quatro dessas equipes eram formadas apenas por estagiários e uma por funcionários “full time” da IBM. “O produto que nós desenvolvemos e apresentamos para essa competição são informações confidenciais, mas adianto que vencemos com uma diferença esmagadora dos outros grupos, nas áreas de “desenvolvimento da aplicação”, “apresentação” e “uso de tecnologia IBM”. A equipe ficou em segundo lugar, apenas, no quesito “ideia”, ganhando, portanto, em pontuação geral.

Para o estudante, esse prêmio é importante para a projeção profissional, pois atesta uma ideia inovadora e vai ao encontro dos interesses de mercado: “os empregadores estão interessados em pessoas capazes de fazer o design e projetar sistemas e não em pessoas que conseguem escrever algumas linhas de códigos sem ter erros”, acredita.

A equipe vencedora é formada, majoritariamente por brasileiros: Fernando Barbosa Gomes (Brasileiro, de Campinas, estudante da PUC-Campinas e KU [University of Kansas]), Cesar Augusto Nogueira (Brasileiro, de Campinas, estudante da Ufscar/Metrocamp e UMKC [University of Missoury – Kansas City]) e Christian Traistaru (Romeno, estudante da K-State [Kansas State University]. “ Fomos os únicos estudantes brasileiros, e de Campinas. O restante era estadunidense e de outras nacionalidades”, valoriza Gomes.

“em alguns anos, a sociedade estará convivendo com milhões de aparelhos conectados à internet”

 

Mais um estudante da PUC-Campinas foi reconhecido por projetos ligados à tecnologia. A aluna do último semestre do curso de Sistemas de Informação da PUC-Campinas, Gabrielle Cristina Perez Dias recebeu uma menção honrosa pelo projeto apresentado no Facebook São Paulo Hackathon: “Criamos um site, em que era possível cadastrar o desaparecimento da pessoa e associá-lo ao perfil do Facebook. Com isso, formávamos um banco de dados, o que facilitaria para encontrar o desaparecido (….) Nosso projeto pretendia usar os usuários do Facebook para fazer algo bom por alguém”.