Cinema: O Homem da Terra

Por Wagner Geribello

O historiador e professor universitário, John Oldman, está de partida e convida a namorada e mais cinco colegas professores para uma reunião de despedida, na qual apresenta duas surpresas: uma garrafa de uísque da melhor qualidade, para irrigar o encontro e a revelação de que já conta 14 mil anos de idade e ainda não conheceu a velhice, nem a morte!

Começa assim O Homem da Terra, produção americana, de 2007, assinada por Richard Schenkman, protagonizada por um elenco reduzidíssimo (não mais que uma dezena de pessoas aparece em todo o filme) e tão desconhecido como o diretor, que sustentam um filme com a rara qualidade de fugir da mediocridade e a não menos rara sensibilidade de considerar como ativos os neurônios do espectador.

Teatro filmado, com toda a narrativa concentrada em três ambientes, O Homem da Terra é um dos poucos exemplares da cinematografia de todos os tempos que aborda, na mesma obra, temas científicos e religiosos, como pode comprovar uma rápida garimpada na Internet.

Pouco indicado para o público que associa à monotonia conteúdos reflexivos, o filme agrada adeptos do cinema que foge da mesmice e experimenta linguagens diferentes, como a valorização do diálogo como principal recurso narrativo.

Após servir o uísque e colocar a pauta da conversa, Oldman induz Harry, biólogo, Dan, antropólogo, Edith, literata cristã, Will, psicólogo e Art, arqueólogo, que veio para a reunião acompanhado de uma aluna, a trocar ideias sobre possibilidades e desdobramentos da sua revelação, classificada por todos como brincadeira, apesar de o historiador insistir na sua veracidade, por mais absurda que pareça.

O grupo entra em um jogo hegeliano de questionamento sobre amplitude, dimensão e (in)certeza do conhecimento científico, buscando lógica a partir de premissas absurdas. Da finitude biológica às interpretações do tempo, a conversa tangencia modos e meios que norteiam (ou desnorteiam) o entendimento que os seres humanos têm da realidade e de si mesmos, desde as suas origens, lembrando que a magia de um século, pode ser ciência no século subsequente e conhecimento jamais se descola da dúvida.

A divagação deságua na filosofia e entra pela religião, misturando saber e crença, ora interpretados como elementos complementares, ora dissociados em corpos antagônicos, que não podem ocupar o mesmo lugar, ao mesmo tempo, plagiando Arquimedes.

Baseado em suposições, premissas, propostas e teses, o diálogo aborda diferentes assuntos, tangencia diversas concepções do mundo e levanta pontos interessantes, como a formação do historiador, creditada mais à dedicação ao estudo que à possibilidade de viver e presenciar fatos e ocorrências da história.

Seja pelo valor do tema, ou pela concepção da forma, O Homem da Terra tem quase tudo do filme interessante, exceto o final, que o apego do diretor ao modelo hollywoodiano de história fechada prolonga além do ponto em que deveria terminar e força a rotulação do filme como ficção científica.

Mesmo assim, como O Homem da Terra está disponível no YouTube (com e sem legenda) e aproveitando o clima do colóquio sobre religião e ciência que polarizou a PUC-Campinas este mês, vale a pena experimentar.