Cinema: Também a Chuva é metáfora bíblica entre água e justiça

Por Wagner Geribello

Produção cooperada franco-espanhola-mexicana, assinada pela diretora espanhola Iciar Bollain, Também a Chuva (También la Lluvia, no original) repete, no título e no enredo, a metáfora bíblica entre água e justiça social, do livro de Amós, usada como lema da Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2016.

A linguagem metacinematográfica escolhida pela diretora leva o espectador à região de Cochabamba, Bolívia, acompanhando a produção de um filme sobre o descobrimento da América. A escolha do local tem razões evidentes e não muito éticas. O produtor, espanhol, precisa de nativos sul-americanos para a figuração e a concentração indígena daquela região boliviana reduz os custos de produção, via baixa remuneração dos contingentes contratados para atuar no filme, como extras.

Esse ponto inicial cria condições para que o elenco de extras tome contato com a história da conquista da América, marcada pela dominação, exploração e agressão praticadas pelos conquistadores europeus. Assim, cada cena de sofrimento, submissão e martírio protagonizada pelos extras, reproduzindo sofrimento, submissão e martírio dos seus ancestrais, coloca os indígenas frente à sua própria condição de explorados, martirizados e submissos também no presente, por exemplo, ganhando pouco, mas trabalhando muito no set de filmagem.

Produção cooperada franco-espanhola-mexicana, assinada pela diretora espanhola Iciar Bollain/ Crédito: Divulgação
Produção cooperada franco-espanhola-mexicana, assinada pela diretora espanhola Iciar Bollain/ Crédito: Divulgação

A disposição de reivindicar direitos e justiça a partir da consciência social nascida nas locações de filmagem vem à tona quando o Governo boliviano privatiza o fornecimento de água na região, restringindo tão somente à via econômica o acesso ao abastecimento, fato que acaba envolvendo o elenco de extras em manifestações populares contra a tirania econômica.

Bom esclarecer que a tentativa de privatização realmente aconteceu naquela região boliviana, desencadeando o que ficou conhecido como a Guerra da Água, entre janeiro e abril de 2000, quando uma revolta popular obrigou o presidente Hugo Banzer a reverter a privatização e cancelar o contrato com a Bechtel Corporation, empresa americana interessada na exploração econômica da água boliviana.

Marco da resistência ao poder do capital, essa página da história contemporânea da Bolívia demonstra que os movimentos populares têm força para reverter tendências de imposição global do pensamento político-econômico único, como proposto pelo Consenso de Washington, em 1989, e anualmente reforçado em fóruns como Davos e congêneres.

Desse modo, a responsabilidade sobre nossa “Casa Comum”, que inclui preservação e acesso universal, justo e equânime aos bens naturais, em especial água e alimentos, proposta pela Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016, encontra respaldo e apoio em obras como esta, estimulando reflexões sobre direito e justiça.

Ah, sim, uma última colocação: o contrato de privatização assinado entre o governo boliviano e a Bechtel chegava ao absurdo de tornar ilegal a captação da água que cai do céu, prevendo, por exemplo, punição pela colocação de bacias no telhado para colher a água da chuva, uma vez que até essa passava a ter dono, fato que sugeriu o título do filme, disponível na Internet, no site de filmes on-line grátis.