Editorial: Globalização

Constituído e incorporado como vocábulo de moda, global rompeu com o sentido original para referenciar dimensões e características planetárias da sociedade contemporânea, apesar do Planeta em questão ser geóide e não globo, no geométrico sentido do termo.

Palavras, conceitos e significados derivados do mesmo radical tomaram conta da contemporaneidade, designando desde rede de televisão, até modos de produção, passando por sistemas de comércio, perfil de pessoas, dimensão de empresas, natureza de empreendimentos e preocupação ecológica, ocupando a quase totalidade das vertentes e quadrantes da sociedade que, agora, tem produto global, guerra global, comunicação global, cartão de crédito global, aplicativo computacional global, escândalo global, idioma global e até o contra-senso de regiões que se proclamam globais.

Sensível ao tema, o Jornal da PUC-Campinas reúne, nesta edição, um tanto de análise e outro tanto de informações referenciadas na globalização.

Matéria sobre intercâmbios explica detalhadamente como o universitário brasileiro pode emprestar dimensão global à sua formação, realizando parte da graduação ou pós-graduação no exterior. O Departamento de Relações Externas da Universidade explica tudo quanto é preciso saber e tudo que é possível fazer aos alunos e alunas com interesse no assunto.

Globalização também mostra aspectos pitorescos e interessantes de lugares que a gente brasileira pouco conhece, como história e geografia de Moçambique. Recolhendo material para um livro de fotografias, em terras da ex-colônia portuguesa, alunos do Curso de Jornalismo revelam como em África é contrastante a ntiyisso (termo do idioma changana que significa verdade e realidade).

Contradição também é a linha adotada no resgate da história, inicialmente gloriosa, do Haiti, primeira nação independente da América Latina e primeira República negra do mundo, que hoje amarga a condição de país paupérrimo e marginalizado, mostrando a globalização prodiga para  transnacionalizar banalidades, como o consumo, mas incapaz de internacionalizar virtudes, como a solidariedade.

Em 2015 a música também vai ser global e diversificada na PUC-Campinas. A promessa é do regente e instrumentistas de Música de Câmara do Centro de Cultura e Arte. Para apresentações que vão se desdobrar ao longo do ano, por todos os campi, o grupo está mesclando, no repertório, popular e erudito de origem variada e diferentes períodos da música internacional.

Preocupação com o ambiente também tem dimensão global, embora ações efetivas ocorram, no mais das vezes em âmbito regional. No Município de Campinas, o Conselho de Defesa do Meio Ambiente, COMDEMA, responde pela harmonização do desenvolvimento social com a preservação da Natureza. Professores da PUC-Campinas que integram o órgão explicam objetivos e modus operandi do Conselho.

Além disso, o Jornal da PUC-Campinas ainda tem informação, indicações, comentários e opiniões sobre temas que estão na pauta de todos que pretendem estar, estão ou estiveram na Universidade, antes ou durante os tempos da globalização.