NÚCLEO DE FÉ E CULTURA DA PUC-CAMPINAS

brasao

O Grupo de Trabalho (GT), constituído pela Magnífica Reitora (Portaria PUC no 135/14) tinha como objetivo elaborar a proposta de criação de um Núcleo de Fé e Cultura.

O GT foi composto pelos seguintes membros: Diretor da Faculdade de Filosofia, Prof. Dr. Pe. Edvaldo Manoel de Araújo; Vice-Reitor, Prof. Dr. Germano Rigacci Jr, Diretor da Faculdade de Ciências Sociais, Prof. Dr. Glauco Barsalini, Coordenador do Departamento da Pastoral Universitária, Pe. João Batista Cesário; Diretor da Faculdade de Teologia, Prof. Me. Cônego José Luiz Araújo; Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião, Prof. Dr. Pe. Paulo Sérgio Lopes Gonçalves; e o Diretor da Faculdade de Direito, Prof. Me. Peter Panutto.

Foram realizadas sete reuniões para a elaboração da proposta organizada nas seguintes partes.

Parte I – Contexto Teológico, Filosófico e Sociológico.
Nesta parte, encontram-se os fundamentos teológicos para a reflexão sobre o conceito de fé e a sua tridimensionalidade. A fé como dom tem a sua origem na graça. Ela se efetiva como doxologia, celebrada e professada em forma de symbolum fidei, mediante ritos diversos, ancorados na cultura de quem a celebra. Na dimensão intelectual, desenvolve-se com a articulação entre auditus fidei e intellectus fidei, o que a torna scientia fidei, que aponta racionalmente a verdade da fé à luz da fé. Na dimensão testemunhal a fé é martyria, a fé é testemunhada na vida de quem crê. O testemunho é o momento praxístico da fé vivenciado como membro da comunidade, da communitas fidelium.

O conceito de cultura provoca o debate entre as diferentes escolas do pensamento social: o evolucionismo, o funcionalismo e estruturalismo. Associado ao debate na antropologia contemporânea em torno de questões como: a identidade, a alteridade e as transformações sociais e culturais das sociedades. Compreende-se, assim, que as culturas não se constroem no autorreferenciamento, mas na mútua troca de elementos culturais, sem implicar o esquecimento completo de conteúdos tradicionais.

A relação entre a fé e a cultura é considerada em perspectiva dialógica. No contexto filosófico, o diálogo leva a produção do consenso, que se resulta do respeito, da corresponsabilidade e do entusiasmo pela causa que o requer, a fé. A fé encontra na cultura a mediação para a expressão da sua verdade. Assim sendo, a fé não prescinde da cultura para incidir na história da humanidade e a cultura ganha em dignidade e enriquece as expressões da fé. Resulta disso que a relação entre fé e cultura não é de competição nem de  litígio, mas de mútua colaboração para a elevação da dignidade de todo o gênero humano.

Na Universidade Católica, a fé deve ser movimentada para  fermentar a cultura à convivência fraterna, de modo que todos os seus membros construam um clima de relações fraternas, de solidariedade, de respeito e de responsabilidade. A fé também deverá ser movimentada em relação ao próprio desenvolvimento da ciência, cuja finalidade não deve ser outra senão a elevação do humanum em sua imanência e transcendência, a colaboração para o bem universal propiciando uma ética do cuidado em todas suas dimensões. Por isso, a contribuição específica da filosofia à relação entre fé e cultura é a de orientar ontologicamente a ciência para que a produção de conhecimento sirva à dignidade humana e ao bem da natureza.

Por sua vez, a teologia, considerada epistemologicamente como scientia fidei, deverá cuidar para que a fé se manifeste sempre em sua inteligência, de apontar a transcendência do homem e do universo e o devir de comunhão com Deus. À ciência caberá cumprir o seu escopo de contribuir para o desenvolvimento integral dos povos, com a efetividade do bem comum, com a edificação da paz e com o cuidado para que as relações entre homem e natureza sejam marcadas pela elevação da vida (cf. Ex Corde Ecclesiae, nn. 10-20).

Vários textos de teologia, filosofia, antropologia e sociologia foram consultados. Destacam-se os seguintes documentos da Igreja que foram citados: Sacrosanctum Concilium, Gaudium et Spes, Fides et Ratio, Ex Corde Ecclesiae, Lúmen Fidei, Caritas in Veritate, Evangelii  Nuntiandi e Evangelii Gaudium.

Parte II – Contexto Jurídico-Institucional.
Destaca-se que a institucionalização da relação entre fé e cultura na Universidade Católica encontra a sua fundamentação em sua identidade acadêmica e inspiração cristã nas atividades de ensino, pesquisa e extensão (cf. Estatuto, art. 4o e 5o).

Avaliou-se, então, que o Núcleo de Fé e Cultura tem objetivos distintos daqueles que são os objetivos da Faculdade de Teologia e os da Pastoral Universitária. Recomendando-se a sua criação como órgão complementar à Reitoria.

Parte III – Proposta.
I. Definição:

O Núcleo de Fé e Cultura é um Órgão Complementar da Reitoria que promove o diálogo da fé cristã com a cultura em suas diversas dimensões, repercutindo nas atividades de ensino, pesquisa e extensão, para contribuir para a formação integral dos estudantes, na boa convivência da Comunidade Universitária, no aperfeiçoamento da relação da Universidade com a sociedade e na orientação da ciência a serviço da defesa e da promoção da vida.

II. Objetivos:
1. Fomentar o debate entre a fé e a cultura junto às diversas áreas de conhecimento da Universidade.
2. Promover o diálogo da Teologia e do Magistério da Igreja com as ciências.
3. Contribuir para a formação integral dos membros da Comunidade Universitária.
4. Contribuir para a consolidação da identidade católica da Universidade em diálogo com a sociedade.
5. Fomentar a reflexão sobre os problemas relacionados com o desenvolvimento econômico, social e cultural, com ênfase na ética, e tendo em vista a humanização da sociedade.

III. Metodologia:
1. Promover palestras com a Comunidade Universitária para ampliação da consciência sobre a relação entre fé e cultura, à luz do Magistério Eclesiástico.

2. Realizar reuniões com as Diretorias de Centro e de Faculdade e Coordenadorias de Programa de Pós-Graduação e de Núcleo de Pesquisa e Extensão, para debate e acolhimento de sugestões acerca de eventos de promoção da relação entre fé e cultura.

3. Propor atividades que repercutam no ensino, na pesquisa e na extensão para as respectivas Pró-Reitorias, relativas à promoção da cultura à luz da fé.

O Núcleo de Fé e Cultura foi aprovado pelo egrério Conselho Universitário, em sua 501ª reunião, realizada aos 28 de agosto de 2014, ficando na estrutura Universitária como Órgão Complementar da Reitoria, consoante inciso VII, do Art 22 do Regimento Geral da Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

Núcleo de Fé e Cultura