Arquivo da tag: medicina

O que você precisa saber sobre a febre amarela

Por Sílvia Perez

Diante do surto de febre amarela registrado em alguns estados brasileiros, a PUC-Campinas presta alguns esclarecimentos sobre a doença.

A febre amarela é uma zoonose e os casos confirmados no Brasil são classificados como silvestre, sendo os vetores responsáveis pela transmissão os mosquitos Haemagogus e Sabethes encontrados nas matas. Nesse ciclo, o homem participa como um hospedeiro acidental, no lugar dos macacos, ao adentrar áreas de mata. No ciclo urbano, o homem é o único hospedeiro com importância epidemiológica e a transmissão ocorre a partir de vetores urbanos (Aedes aegypti) infectados. Segundo a Organização Mundial da Saúde, pelo menos por enquanto, não há evidências de que o Aedes aegypti esteja transmitindo o vírus, causando uma expansão urbana da febre amarela.

Desde a notificação dos surtos de febre amarela no início de 2017, vem sendo observado em nosso país um aumento progressivo do número de casos suspeitos e confirmados, de óbitos e de municípios com notificação da doença. Dentre o total de casos notificados (1006), 157 evoluíram para óbito e destes 65 foram óbitos confirmados por febre amarela (letalidade 36,1%); 89 óbitos suspeitos continuam sob investigação e 03 foram descartados. De acordo com os dados oficiais divulgados pelo Ministério da Saúde, os casos notificados estão distribuídos em 109 municípios pertencentes a 05 estados (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Tocantins, Bahia) de 03 regiões do país (Sudeste, Norte e Nordeste).

Atualmente, a reemergência do vírus no Centro-Oeste brasileiro volta a causar preocupação, com maior incidência de casos humanos em viajantes que realizavam atividades de turismo e lazer. A maior parte dos casos confirmados ocorreu em regiões turísticas de Goiás e Mato Grosso do Sul, áreas que mantêm intenso fluxo de pessoas, sobretudo durante o verão (período sazonal da doença).

De acordo com a professora da Faculdade de Medicina da PUC-Campinas, Maria Patelli, a doença pode se manifestar de diferentes formas. “A manifestação pode ser de forma assintomática, oligossintomática, moderada até forma grave e maligna. A letalidade varia de 5 a 10%, mas entre as formas graves, pode chegar a 50%”, explica.

O Ministério da Saúde informou que vai reforçar o estoque das vacinas contra a doença em 11,5 milhões de doses, mas isso não significa que todas as pessoas devam correr para os postos de saúde em busca da imunização. Devem procurar a vacina, apenas moradores das áreas onde o surto foi registrado, ou quem pretende visitar regiões silvestres, rurais ou de mata.

Vacinação

No presente, o Brasil tem 20 estados e o Distrito Federal com indicação permanente de vacinação contra febre amarela. Figura 1

Figura 1: Área com e sem recomendação para vacinação contra a febre amarela em 2016

Fonte: Ministério da Saúde

 O Estado de São Paulo tem 70% do total dos municípios com recomendação de vacina contra febre amarela, predominantemente a região noroeste e sudoeste.  (Figura 2).

Figura 2: Mapa – Área com e sem recomendação de vacinação contra a Febre Amarela. Estado de São Paulo, 2016

Fonte: CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA “PROF. ALEXANDRE VRANJAC” Divisão de Imunização

O Ministério da Saúde orienta sobre a vacinação contra febre amarela para viajantes e residentes em áreas com recomendação da vacina. (20 estados e o Distrito Federal).

O professor da Faculdade de Medicina da PUC-Campinas, Adilson Micheloni, ressalta a importância do cidadão procurar um serviço de saúde antes de se deslocar para regiões que apresentam casos da doença. “É preciso buscar informação segura antes, verificar a necessidade de vacinação e, principalmente, saber mais sobre a doença”, destaca.

A vacina deve ser aplicada a partir dos 9 meses de idade com reforço aos 4 anos. Para maiores de 5 anos, o reforço único da vacinação acontece 10 anos após a primeira dose. Já os idosos (> 60 anos) precisam ir ao médico para avaliar se há algum risco em receber a imunização, assim como, as pessoas com doenças como lúpus, câncer e Aids, devido à baixa imunidade, as grávidas e os alérgicos a ovo e gelatina.

A vacina confere imunidade de 90% a 100% dos vacinados, devendo ser aplicada 10 dias antes da viagem à área de risco. A utilização da vacina febre amarela é uma das melhores formas de prevenção da doença.

Em Campinas, é possível conferir os dias e horários em que os Postos de Saúde aplicam a vacina contra a febre amarela no link: http://www.saude.campinas.sp.gov.br/locais_vacinacao.htm.

 

Ensino e Saúde: Hospital da PUC-Campinas, um patrimônio regional

Por Antônio Celso de Moraes

O Hospital e Maternidade Celso Pierro (HMCP), o Hospital da PUC-Campinas, funciona há mais de 35 anos e nasceu da necessidade de servir como base para a capacitação e prática dos alunos da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), que, neste ano, completa 40 anos. O Hospital caminha em conjunto com a PUC-Campinas, a Sociedade Campineira de Educação e Instrução (SCEI), sua mantenedora, e a Igreja Católica e tem como missão cuidar da educação e da saúde de sua comunidade.

Dr. Antonio Celso de Moraes: “O HMCP cresceu com a cidade de Campinas” / Crédito: Álvaro Jr.
Dr. Antonio Celso de Moraes: “O HMCP cresceu com a cidade de Campinas” / Crédito: Álvaro Jr.

São quase quatro décadas de contribuição para o ensino, a pesquisa e a promoção da saúde. Hoje, o Hospital atende as dez faculdades da área da saúde do Centro de Ciências da Vida (CCV) da PUC-Campinas, bem como a faculdade de Serviço Social. Como Hospital Universitário, possui, também, os Programas de Residência Médica e Multiprofissional, que já contribuíram para a formação de mais de mil duzentos e cinquenta médicos de todo o Brasil.

Criado inicialmente para ser um Hospital-Escola, não deixou de lado o assistencialismo. Localizado na região noroeste da cidade de Campinas, que abrange cerca de 190 mil habitantes, distribuídos por diversos bairros de população simples, situados entre as rodovias Anhanguera e Bandeirantes, faz divisa com os municípios de Hortolândia, Sumaré e Monte Mor, oferece atendimento à população mais carente. Além disso, atende a Região Sudoeste com 240 mil habitantes, bem como a demanda das 19 cidades que compreendem a Região Metropolitana de Campinas (RMC).

O HMCP cresceu com a cidade de Campinas, especialmente em atendimento e complexidade. Hoje, realiza anualmente mais de 2 milhões de atendimentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) sendo que Campinas possui 1.154.617 habitantes e 660 mil atendimentos são de convênios privados, com mais de 30 operadoras de saúde e atendimento particular. Como centro de excelência na Região Metropolitana de Campinas (RMC), o Hospital possui Certificação Nível 2 de Qualidade pela Organização Nacional de Acreditação (ONA), que garante qualidade e segurança no atendimento prestado. No Brasil, há, aproximadamente, 6 mil hospitais, sendo que, menos de 224 são acreditados.

O HMCP mostra, dia a dia, que é um hospital completo, com equipe multidisciplinar, certificado para atendimentos de alta complexidade, com destaque em traumatologia, neurologia e cardiologia. A cardiologia (adulto/infantil) é referência no Estado de São Paulo, com índices de resultado em parâmetros internacionais.

Na última década, a produtividade do HMCP quadruplicou consequência do trabalho em equipe e do apoio da Mantenedora e da Universidade na gestão de recursos e investimentos destinados ao Hospital.

Uma Instituição que ensina,  acredita e desenvolve a humanização/ Crédito: Álvaro Jr.
Uma Instituição que ensina, acredita e desenvolve a humanização/ Crédito: Álvaro Jr.

Uma Instituição que ensina, beneficia a população, acredita e desenvolve a humanização em seu ambiente. Trata-se de um local em que é propícia a troca de experiências de vida entre alunos, professores, colaboradores, cidadãos comuns e a Igreja Católica, com base em sua missão de ‘prestar atendimento na área da saúde e contribuir para a geração e promoção do conhecimento, considerando sua orientação cristã e seu caráter de Hospital Universitário’.

Dr. Antônio Celso de Moraes- Superintendente do HMCP

 

“Não existe medicina sem prática”

Prova de residência muda e valoriza a prática médica

Por Amanda Cotrim

Ser um promotor da saúde requer algumas características, como gostar de pessoas e de estudar. E, além da teoria é preciso muita prática, porque a realidade, muitas vezes, é o que fomenta novos estudos. Essa é a opinião da diretora da faculdade de medicina da PUC-Campinas, Profa. Dra. Márcia Pereira Bueno. Em 2014, a PUC-Campinas foi a universidade particular mais bem avaliada pelo Guia do Estudante, da Editora Abril, na área da saúde, figurando o “pódium” junto à Universidade de São Paulo (USP). Para a diretora da faculdade de medicina, essa conquista se deve a três fatores fundamentais: atualização curricular, o Hospital-Escola da PUC-Campinas e a prática médica, prioridade no curso de medicina da Universidade, além da estrutura de laboratórios, salas de aula modernas e um variado corpo pedagógico.

Confira a entrevista completa:

Jornal da PUC-Campinas: A PUC-Campinas foi a universidade particular mais bem avaliada pelo Guia do Estudante 2014 na área da saúde. Pensando que o curso de medicina está dentro dessa avaliação, ao que se deve essa conquista?

Profa Márcia Pereira Bueno: A PUC-Campinas é uma universidade tradicional, que já ultrapassou metas e superou desafios. Nós modernizamos o currículo, deixando-o mais acessível à realidade médica atual, e isso coloca o aluno precocemente diante da prática, lidando, desde cedo, com a diversidade de doenças. Nossa prioridade é que o aluno seja visto como um “tratador” pela comunidade em que a Universidade está inserida (região noroeste de Campinas, periferia da cidade). Além disso, a PUC-Campinas tem professores, professores pesquisadores, profissionais que atendem em clínicas. E isso é um conhecimento completo do dia a dia da profissão. O conjunto pedagógico e de professores faz com que a PUC-Campinas chegue onde está hoje no mercado, como a universidade particular mais bem avaliada na área da saúde.

Jornal: Qual é a importância do Hospital-Escola da PUC-Campinas para esse aluno?

Profa Márcia: O Hospital e Maternidade Celso Pierro (HMCP), mais conhecido como Hospital da PUC-Campinas, facilita a integração entre o aluno e o paciente e possibilita o contato 24 horas. A humanização, o tratamento, a interlocução com a família do paciente são aspectos que potencializam o trabalho do futuro médico. E isso é possível justamente por causa do Hospital-Escola.

Jornal: Uma universidade se diferencia de faculdade porque desenvolve ensino, pesquisa e extensão. Comente sobre as pesquisas científicas desenvolvidas tanto no curso de medicina quanto no Hospital da PUC-Campinas.

Profa. Márcia: A pesquisa na faculdade está sendo ampliada dentro da Universidade. A meta do Hospital e do curso de medicina é melhorar a pesquisa científica ainda mais. Temos pesquisas clínicas fortes, que são ligadas à residência médica e que o aluno pode participar. A pesquisa no HMCP e na faculdade de medicina, do ponto de vista burocrático, é feita separadamente, porém, do ponto de vista prático, ela é feita em comum, porque os alunos têm contato com os residentes. E uma grande maioria dos residentes já foi aluno da PUC-Campinas. A pesquisa médica é muito importante para uma universidade, pois ela promove as melhorias para a comunidade.

Jornal: O Hospital da PUC-Campinas é bem procurado pelos alunos que farão residência. Qual é o papel da residência na formação do futuro médico?

Profa. Márcia: A residência é o momento em que o aluno fará sua especialização. Ao se especializar, o aluno opta por uma área do conhecimento que ele mais gosta. A prova de residência deixou de cobrar só “conteúdo” e passou a cobrar “conteúdo e habilidade”. O aluno faz uma prova prática: entra um paciente, que conta o seu quadro clínico e mostra exames e o aluno vai se comportar como médico generalista. A avaliação vai considerar como o estudante se comportou, qual tratamento ele propôs e como ele chegou a um determinado diagnóstico. Como a PUC-Campinas é uma universidade em que o aluno tem muita prática, ele, normalmente, se sai muito bem nas provas de residência.

Jornal: Segundo dados do Ministério da Educação, de julho de 2014, há, no Brasil, 21.647 vagas autorizadas para cursos de medicina. Desse total, 11.269 estão no interior do país e 10.405 em capitais. Em 2012, eram 8.911vagas nas capitais e 8.772 no interior. Qual é a sua avaliação sobre esses números?

Profa. Márcia: Muitos cursos são abertos porque a quantidade de médicos no Brasil é pequena. Eu creio que os médicos estão mal distribuídos, permanecendo, a sua maioria, nos grandes centros e não na periferia. Quando há muitos cursos nos centros, não se resolve o problema da má distribuição. Não é possível saber, por enquanto, se esse número de faculdades possui um curso bem montado, porque medicina não pode ser somente um curso teórico. É preciso ter um hospital, contato com pacientes e prática médica. O cuidado que se precisa ter é de não colocar médicos mal formados no mundo do trabalho, porque se isso acontecer, esse profissional precisará fazer cursinho preparatório para tentar a residência. Em resumo, é preciso inserir as universidades em locais mais necessitados verificar se elas estão cumprindo bem o seu papel.

Foto: Álvaro Jr. O contato do aluno com o paciente é o diferencial no curso da PUC-Campinas
Foto: Álvaro Jr.
O contato do aluno com o paciente é o diferencial no curso da PUC-Campinas

Jornal: Como a senhora avalia a saúde preventiva proporcionada pelo Hospital da PUC-Campinas (HMCP) e na região de Campinas?

Profa. Márcia: A saúde preventiva é muito bem montada na região de Campinas, o que não anula o fato de, às vezes, termos dificuldades que são para além da medicina, como a própria política. Dentro da Universidade, a saúde preventiva, a medicina coletiva é bem-sucedida.

Jornal: Para finalizar, o que é fundamental para ser um médico?

Profa. Márcia: Medicina é uma grande profissão eé preciso gostar do que se faz. Saber escutar o outro, ter vontade de ajudar e gostar de gente. É preciso que o profissional seja bem formado, tenha cursado uma boa faculdade, porque, assim, ele terá segurança para atender. São seis anos da vida do aluno que serão dedicados, em razão dos plantões médicos, no período da manhã, tarde e noite na Universidade. A vida do aluno será permanecer dentro da Universidade. A PUC-Campinas acolhe bem esse aluno do período integral, com inúmeras atividades e um ótimo aparato universitário. É imprescindível que o aluno saiba que, para cursar medicina é preciso gostar de estudar e ter em mente que o médico é um promotor da saúde e está ali para melhorar a comunidade que está em sua volta.