Arquivo da tag: mestrado

Especialização na PUC-Campinas

A Pós-Graduação Lato Sensu na PUC-Campinas tem como objetivo atender a uma demanda específica do mercado de trabalho, por meio do oferecimento de “cursos de especialização” que sejam capazes de promover o aprofundamento e a complementação de conhecimentos, visando dotar os alunos de habilidades e competências que são necessárias ao domínio de uma determinada função profissional.

A carga horária mínima dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu, que são os cursos de especialização, é de 360 horas e esses cursos são oferecidos aos portadores de diploma de curso superior, de acordo com a Legislação vigente que é a resolução do Conselho Nacional de Educação de 08 de junho de 2007.

Para o 1º semestre de 2017, serão oferecidos os seguintes Cursos de Especialização:

Na área da Saúde:

  1. Especialização em Desenvolvimento do Potencial Humano nas Organizações;
  2. Especialização em Enfermagem em Terapia Intensiva;
  3. Especialização em Enfermagem em Urgência e Emergência;
  4. Especialização em Enfermagem em Saúde Pública;
  5. Especialização em Geriatria e Gerontologia;
  6. Residência Multiprofissional em Saúde: Saúde da Criança, Saúde da Mulher, Urgência e Trauma, e Intensivismo.

Na área de Economia e Administração:

  1. Especialização em Gestão Empresarial;
  2. Especialização em Contabilidade, Auditoria e Controladoria;
  3. Especialização em Gestão Pública.

Na área de Linguagem e Comunicação:

  1. Especialização em Jornalismo Esportivo; e
  2. Especialização em Comunicação Institucional e Estratégica.

Na área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas:

  1. Especialização em Direito “O Novo Processo Civil Brasileiro”;
  2. Especialização em Direito Tributário;
  3. Especialização em Direito do Trabalho e Processual do Trabalho;
  4. Especialização em Direito Penal e Direito Processual Penal.

Na área de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias:

  1. Especialização em Construções, Comunidades e Planejamentos Sustentáveis;
  2. Especialização em Engenharia de Segurança no Trabalho.

 

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. 

Professores de Direito representam Universidade em congresso internacional

O Diretor da Faculdade de Direito da PUC-Campinas, Prof. Dr. Peter Panutto, apresentou o artigo científico “O Estudo de Caso como método pedagógico para a construção da cultura de precedentes judiciais diante do novo Código de Processo Civil (CPC): uma análise baseada no Projeto Pedagógico do Curso (PPC) de Direito da PUC-Campinas”, no V Encontro Internacional do Conselho Nacional de Pesquisa em Direito (CONPEDI), que ocorreu em Montevidéu, no Uruguai, no mês de setembro. O artigo foi escrito em coautoria com o também docente da Faculdade de Direito, Prof. Dr. Guilherme Perez Cabral.

Prof. Dr. Guilherme Perez Cabral e Prof. Dr. Peter Panutto,Diretor da Faculdade de Direito da PUC-Campinas/ Crédito: Álvaro Jr.
Prof. Dr. Guilherme Perez Cabral e Prof. Dr. Peter Panutto,Diretor da Faculdade de Direito da PUC-Campinas/ Crédito: Álvaro Jr.

O estudo tem como objeto o Projeto Pedagógico do Curso de Direito da PUC-Campinas e trata do desafio colocado pelo novo Código de Processo Civil da construção de uma cultura de respeito aos precedentes judiciais, o que passa necessariamente pela reformulação pedagógica da educação jurídica, mediante o estudo de casos como prática adequada à formação técnica e crítica de bacharéis competentes ao uso desse novo instituto processual.

O evento congregou os programas de Mestrado e Doutorado em Direito do Brasil e foi uma possibilidade de intercâmbio entre as pesquisas jurídicas realizadas no Brasil e no Uruguai, com discussão também de temas da América Latina. Esse evento, um dos maiores sobre pesquisa em Direito no Brasil, atraiu mais de mil professores e estudantes, brasileiros e uruguaios, na Universidade da República do Uruguai. Os artigos aprovados serão publicados no livro do evento.

Segundo o Professor Panutto, o qual também atua como professor pesquisador na Universidade, a pesquisa em Direito propicia a construção de novo conhecimento jurídico, estabelecendo uma visão crítica do Direito. “É a pesquisa jurídica que permite a contemporânea concepção da educação jurídica, de modo a formar não meros ‘operadores do Direito’, mas, sim, bacharéis em Direito protagonistas capazes de compreender, interpretar e reconstruir a concepção da sociedade em que vivemos”.

 

 

A Pesquisa na PUC-Campinas

Por Profa. Dra. Sueli do Carmo Bettine

 Na década de 1980, foram implantadas na PUC-Campinas as Coordenadorias de Pós-Graduação e de Estudos e Apoio à Pesquisa, os Núcleos de Extensão de Saúde e Educação, a Assessoria de Planejamento da Reitoria, além de diretrizes da Carreira Docente. Como forma de fomentar a Pesquisa e a Extensão, a Universidade passou a contar com docentes em regime de dedicação para o desenvolvimento de projetos de Pesquisa, Extensão e Capacitação para os Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu.

Ainda nesse período, foram implantados os Programas de Bolsa de Pós-Graduação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior/Ministério da Cultura (CAPES/MEC) e o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (1993).

A consolidação da Pesquisa na Universidade ocorreu durante a década de 1990; entretanto, é a partir de 2002, com a instalação da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, que se estabeleceu uma política de Pesquisa e Pós-Graduação. Tal política promoveu a reorganização dos Grupos de Pesquisa já existentes e a constituição de novos Grupos de Pesquisa, possibilitando a integração entre as atividades-fim da Universidade: Ensino, Pesquisa e Extensão.

As atividades de Pesquisa na PUC-Campinas ocorrem no âmbito dos Grupos de Pesquisa Institucionais que são certificados pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação junto ao Diretório dos Grupos de Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq/MCTI; atualmente, a Universidade tem 46 Grupos de Pesquisa institucionalmente certificados junto ao CNPq.

As atividades desenvolvidas no âmbito dos Grupos de Pesquisa da PUC-Campinas visam contribuir para a expansão e consolidação da Pós-Graduação Stricto Sensu no país; tais atividades são desenvolvidas por docentes pesquisadores e seus orientandos de doutorado, mestrado, iniciação científica, de programas de educação tutorial e de trabalhos de conclusão de curso de graduação.

Os Projetos de Pesquisa são de natureza institucional, vinculados às Linhas de Pesquisa dos Grupos de Pesquisa e abrigados no contexto de um Plano de Trabalho de Pesquisa do Docente Pesquisador. As Linhas de Pesquisa são exclusivamente de natureza Institucional e definidas em conjunto com a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, considerando-se as políticas de fomento da Pós-Graduação no país e o desenvolvimento de áreas estratégicas para a PUC-Campinas e, ainda, alinhadas com a sua Missão e Valores.

STRICTO SENSU (Mestrado e Doutorado)

Em consonância com o Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG) 2011-2020, que tem como uma de suas metas a ampliação da Pós-Graduação no Brasil, a PUC-Campinas implantou, entre 2014 e 2016, cinco novos cursos de Mestrado Acadêmico: Sustentabilidade; Linguagens, Mídia e Arte; Ciências da Saúde; Sistemas de Infraestrutura Urbana; e Ciências da Religião; e, também, um novo curso de Doutorado em Educação, que somados aos cursos anteriormente existentes compõem Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu nas seguintes Grandes Áreas: Ciências da Saúde, Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas, Engenharias, Interdisciplinar e Linguística, Letras e Artes.

LATO SENSU (Especialização)

Com a finalidade de atender às demandas da sociedade e acompanhando a dinâmica do mundo do trabalho, a Universidade oferece sistematicamente Cursos de Especialização nas mais diversas áreas do conhecimento cujo objetivo principal é a atualização e o aprimoramento profissional.

Profa. Dra. Sueli do Carmo Bettine é Pró-Reitora de Pesquisa e Pós-Graduação

 

 

PUC-Campinas Informa

Pesquisadora Lucia Santaella realiza aula inaugural do Mestrado em Linguagens, Arte e Mídia

Aula Inaugural PPG Limiar: Linguagens, Mídia e Arte - "A relevância da interdisciplinaridade" com profª Lucia Santaella
Aula Inaugural PPG Limiar: Linguagens, Mídia e Arte – “A relevância da interdisciplinaridade” com profª Lucia Santaella

O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Linguagens, Mídia e Arte recebeu a palestra da Vice-Coordenadora do PPG Interdisciplinar Tecnologias da Inteligência e Design Digital da PUC-São Paulo, Profa. Dra. Lucia Santaella, no dia 1º de março de 2016.

Durante a aula inaugural, Santaella abordou sua trajetória na pesquisa, indicando que a interdisciplinaridade sempre esteve presente em seus estudos. A pesquisadora ressaltou a importância de um campo teórico que conglomere várias áreas do saber. “O mundo está muito complexo. Não é possível observá-lo apenas por um ponto de vista”, defendeu.

O Mestrado em Linguagens, Mídia e Arte tem como objetivo qualificar seus alunos para a pesquisa, a docência e para inovação em sua prática profissional.

Lucia Santaella possui 41 livros publicados, dentre os quais seis são em coautoria e dois sobre estudos críticos. Organizou, ainda, a edição de 15 livros. Além dos livros, Lucia Santaella tem mais de 300 artigos publicados em periódicos científicos no Brasil e no Exterior. Suas áreas mais recentes de pesquisa são: Comunicação, Semiótica Cognitiva e Computacional, Estéticas Tecnológicas e Filosofia e Metodologia da Ciência.

Engenharia Ambiental: Ação solidária na Mata de Santa Genebra

A Área de Relevante Interesse Ecológico Mata de Santa Genebra, em Barão Geraldo, recebeu no dia 8 de março, os alunos ingressantes do curso de Engenharia Ambiental da PUC-Campinas para o “Trote da Sustentabilidade”. Cada aluno plantou uma muda de árvore nativa no local, podendo acompanhar o seu desenvolvimento.

Os calouros tiveram orientação de equipes especializadas em reflorestamento. As mudas recebem um cadastro com a identificação digital por QR Code. Além do plantio, houve uma palestra sobre os temas: fragmentação florestal, unidade de conservação, manejo e recuperação florestal, ministrada por colaboradores da Mata Atlântica de Santa Genebra.

O Trote da Sustentabilidade é um projeto do Banco de Áreas Verdes (BAV) da Secretaria Municipal do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SVDS) que, com o apoio da Fundação José Pedro Oliveira (FJPO) e da PUC-Campinas, teve por objetivo envolver a comunidade acadêmica no trabalho de recomposição da área verde do município.

A ação marcou o início da restauração dos 23 hectares da Mata de Santa Genebra que foram consumidos por incêndios no passado. As espécies a serem plantadas foram indicadas pela Fundação José Pedro de Oliveira, que administra a área.

PUC-Campinas lança aplicativo para alunos

Foto 3 PUC Campinas Informa

A PUC-Campinas, no início do semestre letivo de 2016, lançou o App Aluno PUC-Campinas. A nova ferramenta possibilita maior interação, facilitando o acesso dos estudantes a informações acadêmicas, tais como, grade da semana, disciplinas cursadas e dados pessoais.

Com ele, o aluno poderá consultar em que salas ocorrerão as aulas de seu curso, a frequência e as notas, quando ambas já estiverem liberadas pelo docente da disciplina.

Desenvolvido pelo Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação (NTIC) da PUC-Campinas, o aplicativo também promove notificações quando ocorre troca de sala de aula, sobre a frequência do mês e quando o aluno realiza mudança de grade durante o semestre.

A intenção da Universidade é ampliar o aplicativo com novas funções.

O aplicativo está disponível no Google Play, para Android e nos próximos dias na Apple Store, para iOS.

Sugestões e mais informações pelo e-mail contato.apps@puc-campinas.edu.br

PUC-Campinas Informa

Novos Cursos de Mestrado

Aprovado pela CAPES/MEC o Curso de Mestrado Acadêmico em “Linguagens, Mídia e Arte” na PUC-Campinas. O curso terá duas linhas de pesquisa: “Discursos, Poéticas e Tecnologias” e “Sujeito e Midiatização”.

A CAPES/MEC também aprovou o Curso de Mestrado Acadêmico em “Sustentabilidade”, com duas Linhas de Pesquisa: “Ciência, Sociedade, Políticas Públicas e Sustentabilidade” e “Planejamento, Gestão e Indicadores de Sustentabilidade”.

Inscrições abertas para cursos de Especialização

 

Até 18 de janeiro de 2016

Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu (Especialização) da PUC-Campinas estão com inscrições abertas para o 1º Semestre de 2016, até o dia 18 de janeiro. Os interessados podem se inscrever pelo Portal da Universidade.

Os Cursos com inscrições abertas são:

Especialização em Contabilidade Internacional 

Especialização em Contabilidade, Auditoria e Controladoria (turmas semana e sábado)

Especialização em Gestão Empresarial

Especialização em Gestão Pública

Especialização em Desenvolvimento do Potencial Humano nas Organizações

Especialização em Enfermagem em Terapia Intensiva

Especialização em Enfermagem em Urgência e Emergência 

Especialização em Engenharia de Segurança no Trabalho

Especialização em Geriatria e Gerontologia

Especialização em Jornalismo Esportivo

Confira os detalhes no portal da Universidade

Projeto HackaTruck na PUC-Campinas

Faculdade de Análise de Sistemas e a diretoria do CEATEC, por meio de uma parceria entre a IBM, o Instituto Eldorado e a Apple, receberam no período de 19 de outubro a 07 de novembro um caminhão (sala de aula tecnológica), que possui 72 m² em seu interior. Os alunos poderão visitar esse ambiente que estará equipado com dispositivos da Apple, experiências de realidade aumentada, impressoras 3D, Internet das coisas e puderam participar de um curso presencial sobre programação SWIFT para plataforma IOS  e de palestras de curta duração sobre inovações tecnológicas e carreiras de TI.

A PUC-Campinas é a primeira Universidade do Brasil a receber e participar desse projeto, que abrangerá vários estados do Brasil.

Nos dias 10 e 11 de setembro, os alunos dos Campus I e II participaram da apresentação do projeto e em 16 de setembro e teve início o curso à distância sobre Lógica de Programação e Programação Orientada a Objetos, que prepara os alunos para o curso presencial.

 

Contra o desperdício de dados na rede

Estudo em Gestão de Redes de Telecomunicações  desenvolve algoritmo capaz de solucionar problemas nas redes de sensores sem fio. Pesquisa faz parte do grande campo da Internet das coisas, prédios e cidades inteligentes

Por Amanda Cotrim

No trabalho desenvolvido por Lucas Leão no mestrado do programa de Pós-Graduação em Sistemas de Infraestrutura Urbana, ele focou seus esforços para solucionar problemas das redes de sensores sem fio em ambientes fechados, a exemplo das redes de wifi e telefonia em escritórios, fábricas, comércios etc. Nesse cenário, as Redes de Sensores Sem Fio (RSSS) sofrem com a constante movimentação de pessoas e de alterações físicas no espaço, como a inclusão ou remoção de móveis e máquinas.

Essas alterações podem causar impactos na qualidade da rede, elevando a taxa de perda de dados transmitidos. Lucas, que teve a orientação do Prof. Dr. Davi Bianchini e do Prof. Dr. Omar Branquinho, verificou que uma possível solução seria a avaliação e redefinição periódica da tabela de roteamento, que é uma espécie de mapa com os caminhos possíveis para a entrega dos dados.

Apesar de importantes para a infraestrutura de uma cidade e fundamental para o ambiente digital, a população, no geral, não consegue detectar no que isso interfere no seu dia a dia. Mas o pesquisador defende que com o “crescimento do desenvolvimento de aplicações da Internet das Coisas, os Prédios Inteligentes e as Cidades Inteligentes podem transformar o modo de vida das pessoas. Não são muitos ainda os Prédios Inteligentes, com sistemas inteligentes de controle de temperatura e iluminação, mas o desenvolvimento da área de Prédios Inteligentes pode fazer com que recursos naturais não sejam desperdiçados, uma vez que a gestão de equipamentos de condicionadores de ar, aquecimento e iluminação pode ser realizada de maneira mais eficaz e inteligente com o uso de sensores sem fio”.

Estudo faz parte da grande área da Internet das coisas- Crédito: Reprodução
Estudo faz parte da grande área da Internet das coisas- Crédito: Reprodução

No projeto, foi desenvolvido um simulador que permitiu verificar o comportamento do algoritmo proposto e avaliar sua viabilidade em um experimento prático. “Foi possível, ainda, fazer um refinamento da proposta, ajustando os parâmetros utilizados no algoritmo. Após uma bateria de testes e redefinições, obtivemos resultados positivos, que nos permitiram avançar para a implementação prática do algoritmo. Nessa etapa, nos dedicamos a transportar para a solução prática toda a experiência adquirida com a simulação. Foram definidos cenários de teste para o experimento prático que permitissem a avaliação da proposta em comparação com uma solução já existente na literatura. Identificamos que o algoritmo de roteamento desenvolvido não só atendia aos requisitos necessários, bem como demonstrava resultados superiores à proposta já existente”, explica.

O pesquisador considera, ainda, que as aplicações de monitoramento precisam ser confiáveis, pois os dados coletados normalmente alimentam processos de tomada de decisão. “Nesse sentido, é importante garantir que os dados transmitidos cheguem com regularidade ao destino final”, finaliza.

Cidade Digital segregada

Pesquisa de mestrado desenvolvida na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo aponta os desafios para a construção de um território digital

 

Por Amanda Cotrim

É possível falar em tecnologia sem falar em infraestrutura? Por acreditar que não era possível, Renato Manjaterra Loner decidiu estudar no seu mestrado esses dois espaços: o eletrônico e o físico, a fim de compreender o conceito de “Cidade Digital”, que tem como mote a inserção do município na sociedade da informação, possibilitando ferramentas digitais como a extensão do modo de vida de seus cidadãos.

Primeiro ponto de wifi do Campinas Digital, na Prefeitura, fica a 500 metros do bairro mais incluído da cidade – Crédito: Álvaro Jr.
Primeiro ponto de wifi do Campinas Digital, na Prefeitura, fica a 500 metros do bairro mais incluído da cidade – Crédito: Álvaro Jr.

“Eu entendo que cidade digital é a cidade onde o cidadão, além de ter acesso às benesses da sociedade informacional, tem condições de usufruí-las”. Sua pesquisa identificou, no entanto, que nem todos têm acesso aos serviços de uma cidade digital. O estudo considerou que a desigualdade no acesso está relacionada a outras desigualdades sociais, como saneamento básico, segurança pública, renda e escolaridade.

A dissertação trabalhou com dois exemplos opostos de inclusão: o bairro Cambuí, o mais incluído, segundo a pesquisa, e o bairro Cidade Singer, na região do Campo Belo, próximo ao aeroporto de Viracopos, como o bairro menos incluído. O critério utilizado pelo pesquisador foi a escolaridade, a quantidade de domicílios com computador conectado à internet e o rendimento familiar, segundo os micro-dados da amostra do Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), por setor censitário (conjunto de uma média de cem domicílios). “O primeiro ponto de wifi do Campinas Digital, na Prefeitura, fica justamente cerca de 500 metros do setor censitário mais incluído da cidade”, considera Manjaterra Loner.

O estudo criou três mapas da cidade de Campinas, a partir de três segmentos: conectividade, escolaridade e renda. “Em seguida, estabelecemos a média desses três indicadores e produzimos o quarto mapa, que distingue os setores censitários mais incluídos dos menos incluídos digitalmente e informacionalmente. A esse índice dei o nome de Índice de Segregação Digital, que foi composto por uma fórmula parecida com a do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano, da ONU)”, compara.

“A concentração de investimentos nos serviços da “cidade digital” obedece à mesma lógica de outros benefícios construídos na cidade, como áreas verdes, saneamento, iluminação, segurança, água, ou seja, são concentrados nos territórios mais ricos. Então, entendemos o motivo da Cidade Singer ser o último território incluído no Programa Campinas Digital. É porque é o bairro mais pobre, carente de outros serviços”, contextualiza.

Renato Mantejarra- Mestre em Arquitetura e Urbanismo
Renato Mantejarra- Mestre em Arquitetura e Urbanismo

O objetivo do estudo, segundo Manjaterra Loner, foi oferecer um subsídio científico para que a construção da “Cidade Digital” pelo poder público se pautasse pela universalização das benesses da informatização do território. “A falta de definição do que seja cidade digital é o que permite que a sua construção se dê ao gosto do gestor ‘da vez’. Com um índice que aponte os territórios mais carentes desse tipo de investimento; a municipalidade pode decidir onde investir”, ressalta.

O trabalho, segundo Manjaterra Loner, oferece à Prefeitura de Campinas um mapa detalhado de onde estão os pontos mais urgentes de investimento público em infraestrutura e tecnologia, para que a população tenha acesso à ‘nova era’. “Agora é possível enxergar onde estão os territórios segregados e formular políticas públicas de inclusão desses territórios”.

 

SERVIÇO

Para ter acesso a pesquisa completa, acesse o link

Ou encontre a pesquisa na Biblioteca da PUC-Campinas. Informações em: (19) 3343-7058

 

 

ESPAÇO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

Universidade se apóia em ensino, pesquisa e extensão

Em setembro de 2015 aconteceram três eventos muito importantes na PUC-Campinas, o V Encontro Anual de Extensão Universitária, o XX Encontro de Iniciação Científica e o V Encontro de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico, momentos que envolveram professores pesquisadores, extensionistas e  alunos dos diversos cursos de graduação da Universidade,  que têm a oportunidade de apresentar os novos projetos e os resultados alcançados no ano  anterior.

Uma Universidade, para ter essa denominação, tem que se apoiar em atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão e o envolvimento dos alunos em projetos de Pesquisa e Extensão, sem dúvida alguma qualifica o ensino de graduação, além de abrir caminho para que os discentes sigam a carreira acadêmica, por meio da realização de cursos de Pós Graduação Stricto Sensu (mestrado e/ou doutorado),  ou se envolvam com projetos sociais e cheguem a resultados que possam contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população.

Esses são mais alguns exemplos de atividades que ocorrem fora da sala de aula e que contribuem para a formação integral da pessoa humana, um diferencial dessa Universidade expresso na sua Missão.