Arquivo da tag: planejamentoacademico

Como os Diretores estão se organizando para o Planejamento do seu Centro?

Entendemos que o Planejamento Acadêmico-Pedagógico é o momento fundamental para que as ideias sejam discutidas e organizadas pelos docentes. Rompe a clássica organização pedagógica do semestre, uma vez que oferece às direções e aos professores a oportunidade do debate. Além dos assuntos e dos temas inerentes às faculdades, em 2017 o CLC organizou um conjunto de atividades integradas para o mês de maio, com o objetivo de discutir as áreas das linguagens, das mídias e das artes.

Diretor do Centro de Linguagem e Comunicação/ Crédito: Álvaro Jr.

 

O CEATEC oferecerá a todos os docentes do Centro uma palestra sobre Neurociência e Educação. O objetivo é oferecer subsídios aos professores, como o aprimoriamente de metodologias e das práticas de ensino, a partir da Neurociência. No âmbito das faculdades, discutiremos os resultados das avaliações internas e externas, com vistas na avaliação do Enade 2017.

Prof. Dr. Ricardo Luís de Freitas, Diretor do CEATEC- Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologia. Crédito: Álvaro Jr.

 

No dia 08 de fevereiro, haverá além do acolhimento aos docentes, uma apresentação do Núcleo de Fé e Cultura e da Direção do CCV sobre ações desenvolvidas em atenção ao documento Laudato Si, e uma reunião com a Central de Atendimento ao Aluno sobre Fluxos de Revisão de Nota e Frequência e utilização do Diário de Classe Eletrônico.  Nos demais dias, as faculdades desenvolverão reuniões específicas visando aprimorar as atividades pedagógicas para 2017.

Prof. Dr. Gustavo Henrique da Silva
Diretor do CCV- Centro de Ciências da Vida

Procuramos no Planejamento Acadêmico-Pedagógico intensificar a participação mais próxima e direta dos próprios docentes. Especialmente no primeiro semestre, o calendário, felizmente, tem permitido que cada Faculdade e Programa aproveite o conhecimento e envolvimento do corpo docente para melhoria contínua do processo de ensino-aprendizagem, o que se dá por meio de palestras, oficinas, debates e reuniões setoriais e temáticas.

Prof. Dr. Luis Arlindo Feriani Filho- Diretor do CCHSA- Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.

O Centro de Economia e Administração prepara sua reunião de Planejamento Pedagógico com muita atenção e comprometimento, pois trata-se de um momento fundamental para o sucesso do ano letivo que se inicia. Neste espaço para planejar se exercita uma reflexão sobre as ações executadas no anos anteriores e a preparação para a ação rumo aos objetivos que queremos alcançar no presente ano, como está definido na frase síntese que escolhemos para a reunião de planejamento 2017 – “CEA: Refletindo a prática, inspirando a ação.” Assim, mais do que planejar, trata-se de um momento de encontro, de acolhimento, em que todos são reconhecidos como partes importantes para os resultados que pretendemos serem alcançados ao longo do percurso.

Prof. Dr. Eduard Prancic- Diretor do Centro de Economia e Administração/ Crédito: Álvaro Jr.

 

 

 

 

 

Educação em debate

Fundamentos, metodologias e práticas do ensino superior são tema do Planejamento Acadêmico-Pedagógico do 1o semestre de 201. Palestra acontece no dia 02 e os encontros nos dias 03 e 06 de fevereiro.

Por Sílvia Perez

A reflexão dos docentes deve estar presente em todas as etapas do planejamento e da prática do ensino, buscando metodologias que servirão de base para as atividades que serão propostas durante o período de aulas. Nesse sentido, a PUC-Campinas oferece a palestra “Paradoxos das práticas no ensino superior: caminhos desviados”, que será ministrada pelo Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade, Prof. Dr. Samuel Mendonça, no dia 2 de fevereiro, às 20h, no Auditório Dom Gilberto.

Prof. Dr. Samuel Mendonça é Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação/ Crédito: Álvaro Jr.

De acordo com o Prof. Dr. Samuel Mendonça, a palestra vai discutir duas dimensões de práticas do ensino superior. De um lado, a perspectiva conhecida como tradicional e, de outro, a de metodologias ativas. “A proposta é desconstruir a ideia de que as metodologias ativas possam substituir o ensino tradicional. A partir da crítica da concepção de educação tradicional de John Dewey, presente na obra Experience and Education, destacaremos pontos fortes e frágeis dessa vertente responsável pela formação de gerações de docentes que compõem o corpo docente da Pontifícia Universidade Católica de Campinas”, explica.

Caminhos

“Busca-se demonstrar que as metodologias ativas são ‘caminhos’, isto é, processos para a aprendizagem; no entanto, a educação é muito mais do que isto. Considerar as metodologias ativas como substitutivas de concepções de educação parece-nos um equívoco, mesmo no caso da concepção tradicional de ensino. Assim, argumenta-se com Gert Biesta, – que esteve em um Seminário do Programa de Pós-Graduação em Educação e da Faculdade de Educação da PUC-Campinas, em 2013, – a partir da obra Beyond Learning: Democratic Education for a Human Future que o fenômeno da learnification, isto é, da ênfase dada a técnicas de aprendizagem em diversos países do mundo é perigoso em relação à educação”, alerta.

De acordo com o docente, é preciso superar práticas de ensino superior que não sejam consequentes para a aprendizagem. “Paradoxalmente, não há caminho único e verdadeiro de práticas do ensino superior. Assim, sejam as práticas de ensino tradicional ou construídas a partir de metodologias ativas, o ponto fundamental para garantir o ensino e, quiçá, a aprendizagem dos estudantes do nível superior, intitula-se ‘professor’ e é este o sujeito principal que carrega sua concepção educacional que está em constante transformação, na significativa consideração de estudantes que nasceram já no século XXI”, finaliza.

A importância da Interdisciplinaridade

Nima Spigolon: A interdisciplinaridade supera fragmentação que marcou a concepção do conhecimento / Crédito: Álvaro Jr

No Encontro Pedagógico Práticas Interdisciplinares – relatos de experiência, a professora da Faculdade de Educação da Unicamp, Nima Imaculada Spigolon, vai discutir as práticas interdisciplinares. “Estou muito emocionada com o convite de retornar à PUC-Campinas, é interessante esse potencial de interlocução entre a PUC-Campinas e a Unicamp, com deslocamento intelectual, acadêmico, afetivo e dialógico. Farei uma conversa cujo mote principal são os processos de formação humana, porque não basta formar para o mercado, certificar, é preciso que essa formação aconteça com base no humano e nas relações que estabalecemos em sociedade”, acrescenta.

“Ao lançarmos mão dessa perspectiva, a interdisciplinaridade surge como parte de um conjunto de ações político-pedagógicas para superar a fragmentação/dicotomização e hierarquização que marcou a concepção do conhecimento entre as disciplinas, sendo capaz então, de proporcionar aproximações, relacionando-as entre si para uma maior compreensão e intervenção na realidade. Portanto, interdisciplinaridade se caracteriza por dois movimentos dialéticos: a problematização da situação, pela qual se desvela a realidade, e a sistematização dos conhecimentos de forma integrada”, defende.

Para concluir, ela recorda que, para Paulo Freire, a interdisciplinaridade é o processo metodológico de construção do conhecimento pelo sujeito com base em sua relação com o contexto, com a realidade e com a cultura.

O aprendizado no ambiente virtual

As Trilhas de Aprendizagem: Gamificação, PBL (Problem Based Learning), Sala de Aula Invertida e Portfólio vão discutir as estratégias de aprendizagens inovadoras. De acordo com a docente da Faculdade de Educação da PUC-Campinas, Profa. Dra. Fernanda de Oliveira Soares Taxa Amaro, a temática das Trilhas de Aprendizagem vai tratar do aprendizado no ambiente virtual, sendo que o professor tem a liberdade de escolher por onde quer começar a “trilhar” seu conhecimento. “Os conteúdos estão disponíveis na plataforma AVA e o professor pode escolher qual quer ver primeiro. São selecionados três textos básicos para o professor ler, além disso, foi montado um e-book e também são sugeridos outros três textos complementares, de forma que o professor é o grande sujeito do seu próprio aprendizado”, destaca.

Profa. Dra. Fernanda de Oliveira Soares Taxa Amaro é docente na Faculdade de Educação. / Crédito: Álvaro Jr.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Segundo a Profa. Dra. Fernanda de Oliveira Soares Taxa Amaro, no curso sobre Gamificação, por exemplo, o aprendizado será dinâmico e com incentivo. “À medida que você avança, vai ganhando pontos de habilidade. Já para o PBL, foram feitas entrevistas com os professores. Outra possibilidade de troca de experiências dentro da plataforma é o Mural de Práticas Docentes, espaço em que os docentes podem se comunicar e postar seus portfólios”, explica.

A autoaprendizagem é a palavra-chave das Trilhas de Aprendizagem que, para a Profa. Dra. Fernanda de Oliveira Soares Taxa Amaro, tem como ponto de reflexão a percepção do docente quanto ao uso do ambiente virtual. “Buscamos fazer um levantamento dos primeiros sentimentos e crenças que eles tiveram ao usar o espaço on-line”, finaliza.

 

Planejamento Acadêmico 2017

O Planejamento Acadêmico do 1º semestre de 2017 tem início no dia 1º de fevereiro com atividades que se estendem até o dia 11. Nos dias 1, 2, 3 e 6 a programação é de responsabilidade da Pró-Reitoria de Graduação, onde serão oferecidas palestras, cursos, mini-cursos e oficinas, cujo propósito é capacitar o corpo docente da Universidade.  A temática do evento é Ensino Superior: Fundamentos, metodologias e práticas. A palestra de abertura, com o título Fundamentos filosóficos e pedagógicos das metodologias de ensino, será proferida pelo Prof. Demerval Saviani, professor emérito da Faculdade de Educação da Unicamp.

Merece destaque, também, a palestra a ser proferida pelo Grupo de Trabalho Estratégias de Aprendizagens Inovadoras, cuja temática será Trilhas de aprendizagem: Gamificação, PBL, Sala de aula invertida e Portifólio. Aberta a todos os professores, diretores de faculdade e de centro, IAGs, GAPs, Gestores e Membros do NDE. O propósito dessa apresentação é estimular o conjunto de professores a fazerem esses cursos, de modo a colocarem essas metodologias de ensino em uso na sala de aula.

Não podemos esquecer que de 7 a 11 de fevereiro as atividades do Planejamento Acadêmico acontecerão nos Centros e Faculdades com o objetivo de acolher os docentes, refletir sobre o Projeto Pedagógico dos Cursos (PPC) considerando o ingresso de novos docentes e o uso de metodologias específicas, discutir sobre Avaliação Externa e Avaliação Institucional, inclusive as autoavaliações realizadas pelos docentes em 2016, entre outros.

Pró-Reitoria de Graduação.