Arquivo da tag: reflexao

Tempo de refletir, tempo de avaliar

Propositalmente, a última edição de 2016 do Jornal da PUC-Campinas chega à comunidade acadêmica no momento em que acontecem as atividades de encerramento do ano letivo, período que por definição e tradição exige muita dedicação e outro tanto de trabalho de todos nós.

Alunos e alunas “quebram a cabeça” nos processos finais de avaliação, “suam a camisa” para aplicar retoques e conclusões aos TCCs, preparando apresentações e exposição pública, isso tudo temperado com a ansiedade e o frenesi próprios do encerramento do ano.

Paralelamente, o corpo docente se envolve com a avaliação de provas e trabalhos, o que custa tempo e atenção, exigidos em igual medida nas atividades de assentamento de notas, frequências e muitos outros detalhes que, desde sempre, o encerramento de cada semestre cobra ao fazer pedagógico.

Para os funcionários as semanas iniciais de dezembro não são menos trabalhosas, sobretudo em função dos prazos definidos pelo final do ano.

Mas, para além da laboriosa agitação, dezembro também representa a hora e a vez de repensar o ano que chega ao fim, seja para avaliar os percalços enfrentados e os resultados obtidos, seja para recordar momentos que marcaram nossa vida na Universidade.

 As lembranças certamente remetem, em parte, aos momentos mais significativos que pontuaram o calendário acadêmico, tanto em relação ao trabalho realizado em sala de aula e, por extensão, nos laboratórios e espaços de ensino/aprendizagem, quanto àqueles que ocorreram nos auditórios e espaços comuns, incluindo eventos científicos, palestras, conferências, colóquios, celebrações e comemorações. Nesse sentido, creio que concordamos todos, o ano foi muito ativo e produtivo, em especial no que respeita aos eventos do Jubileu de Diamante da Universidade.

Mas a avaliação do ano também tem um aspecto intimista, quando cada um, independentemente da função que exerce e da posição que ocupa no universo acadêmico, repassa as contribuições pessoais que ofereceu à comunidade e as transformações que sofreu a partir daquilo que recebeu da comunidade para seu crescimento individual, social e espiritual. Essa reflexão, em última instância, faz a dosimetria exata do ano que, em primeiro de janeiro, cada um de nós recebeu novinho e intacto, para bem usar e bem fazer. Se essa reflexão introspectiva revelar que aproveitamos as oportunidades para melhorar como pessoa e pessoalmente agimos para valorizar o próximo, então podemos dizer, sem medo de errar, que o ano foi bom, tanto quanto estamos preparados e animados para o ano seguinte, que começa logo mais.

Meditando quando possível e finalizando o trabalho acadêmico, vamos todos encerrar o ano com um suspiro de cansaço, mas espero, sinceramente, que cada integrante da nossa comunidade acadêmica possa, também, expirar satisfação e alegria pelo que realizou,  inspirando a si mesmo para ser ainda melhor em 2017.

Aos corpos discente, docente e funcional, bem como aos amigos da PUC-Campinas desejo um santo Natal, abençoado pelo Menino na manjedoura e que 2017 seja um ano de fraternidade, solidariedade e amor, entre todos, com todos e para todos.

Profa. Dra. Ângela de Mendonça Engelbrecht- Reitora da PUC-Campinas

 

Café Matemático

Projeto da PUC-Campinas quer integrar alunos e professores

Por Amanda Cotrim

Matemática pode ser uma atividade, aparentemente, solitária. Mas é apenas aparência, pelo menos na PUC-Campinas. Em 2015, foi dado o primeiro passo deste que promete ser mais um espaço de intercâmbio, pesquisa, aprendizado e convivência: o Café Matemático. Idealizado em 2014, o projeto tem como objetivo central “cultivar uma cultura acadêmica para além das atividades curriculares regulares”, adianta o Integrador Acadêmico da Faculdade de Matemática da Universidade,  Prof. Dr. Alex Shimabukuro.

 O Café Matemático é um momento de encontro, fora da sala de aula, onde alunos e professores se juntam para conversar sobre temas diversificados. “Muitos estudantes não procuram ou fomentam atividades acadêmicas por desconhecerem, não terem vivenciado ainda o ambiente universitário. Por isso, neste momento estamos auxiliando, mostrando possibilidades e, acima de tudo, experimentando juntos o prazer do convívio acadêmico”, destaca Shimabukuro.

: Café Matemático é um momento de encontro fora da sala de aula/ Crédito: Divulgação
: Café Matemático é um momento de encontro fora da sala de aula/ Crédito: Divulgação

O projeto teve inicio em abril de 2015, e já contou com a exibição de filmes- com temática científica- acompanhados de debates. “Não ficamos apenas no filme, mas no que ele sugere. No “café matemático” em que falamos sobre Alan Turing, discutimos sobre preconceito, sobre a Academia, e o mais importante…. conversamos. Um aluno tocou violão e cantamos também”, conta o Integrador Acadêmico.

O projeto foi idealizado pela gestão da Faculdade de Matemática, da PUC-Campinas, para ser administrado em conjunto com o diretório acadêmico do curso. A escolha dos filmes, inicialmente, está se dando por afinidade com o projeto pedagógico do curso, o que não implica em assistir e discutir apenas filmes matemáticos, alerta Shimabukuro: “Como no filme de Turing existe a pessoa Turing, suas angustias, sua vida. O filme sobre Nash, Uma Mente Brilhante, é muito bom também neste sentido. Mas já selecionamos alguns outros que nos trazem temas fundamentais não apenas para o futuro professor, mas para o cidadão, a pessoa que anseia uma sociedade mais humana e humanitária, como, por exemplo, a série Decálogo que traz uma leitura atual sobre os dez mandamentos, colocando questionamentos filosóficos sobre temas que refletem a tensão dialética entre determinismo e crença, a relação entre fé e ciência e conflitos entre princípios éticos”, completa. Essa iniciativa, resume o docente, ressalta o alinhamento com as propostas do Núcleo de Fé e Cultura da PUC-Campinas.

Para acompanhar a Agenda do Café Matemático, acesse aqui. 

 

REFLEXÃO INCESSANTE, CONHECIMENTO CRESCENTE

Na parte inicial da Constituição Apostólica Ex Corde Ecclesiae, o Papa João Paulo II faz saber que, à luz da fé, a reflexão incessante sobre o tesouro crescente do conhecimento humano constitui característica essencial das Instituições Católicas de Ensino Superior.

Ao associar essa característica à própria identidade da Universidade Católica, o Papa recorre a dois adjetivos para lembrar, também, a condição de organismo vivo e dinâmico da Academia, na qual a reflexão há que ser incessante, porque o tesouro do conhecimento humano é crescente.

Católica e Pontifícia, nossa Universidade entende e atende as orientações daquela Constituição, à medida que estimula a comunidade acadêmica a refletir incessantemente sobre as contribuições que tornam o conhecimento humano sempre maior do que foi no passado.

Ao cotidiano intenso e dinâmico verificado nos campi, envolvendo, fundamentalmente, aula, pesquisa e investigação, a PUC-Campinas agrega um robusto calendário de eventos, cujo cerne aponta para as vanguardas do conhecimento humano, buscando atualização permanente e visando o exercício constante da reflexão.

Decorrido um quarto de século da promulgação da Ex Corde Ecclesiae, a PUC-Campinas entendeu oportuno e apropriado trazer o próprio documento à reflexão, organizando o Colóquio que polarizou nosso calendário de atividades no mês de maio.

A presença do Prefeito da Congregação para a Educação Católica, cardeal Zenon Grocholewski, bem como o conjunto de professores e teólogos participantes dimensionaram o evento, tanto quanto o fizeram o teor e os temas da programação.

Em si mesmo, o Colóquio mostrou-se suficiente para confirmar quanto e como a PUC-Campinas identifica-se como Universidade Católica e se ajusta ao perfil sugerido para esse modelo de Instituição. Entretanto, no que se refere ao compromisso com a dinâmica, ainda há mais, quando lembramos que o agente responsável pela organização do evento, o Núcleo de Fé e Cultura desta Universidade, tem, ele mesmo, tempo curto de existência – exatos sete meses – e, no entanto, já se mostra à altura de ousar e levar a bom termo realizações como esta, com dimensão internacional e potencial para repercutir enfaticamente na ampliação do conhecimento, em especial aquele focado nas relações entre religião e ciência no âmbito das Instituições Católicas de Ensino Superior.

Marcado por um ritmo intenso de atividades, sintetizadas em conferências e mesas-redondas, o Colóquio extrapolou o tempo e o espaço de ocorrência, à medida que os debates repercutiram em diversos setores da Universidade, abarcaram parcelas mais amplas da comunidade acadêmica, bem como transbordaram para outras instituições e segmentos da sociedade.

Feliz e honrada pela presença das pessoas ilustres que atenderam o convite para atuar no Colóquio, agradecida pelo empenho de todos quanto se envolveram com sua realização e particularmente entusiasmada com o volume e o perfil do público participante, espero que o sucesso seja, também, estímulo para outras realizações capazes de confirmar que a PUC-Campinas está empenhada e envolvida no crescimento constante do tesouro do conhecimento humano e no exercício incessante da reflexão, firmando-se como Pontifícia Universidade Católica que nasceu do Coração da Igreja.

Reitora da PUC-Campinas, Profa. Dra. Angela de Mendonça Engelbrecht

Cinema: Consciência Negra

Por Wagner Geribello

O registro dos feitos e desfeitos do ser humano mostra que raças diferentes quase sempre se estranham e muitas vezes se agridem, deixando cicatrizes profundas no tecido social. Por isso, não há tempo algum na História e nenhum lugar do Planeta isentos de conflitos étnicos.

Novata, em termos históricos, a civilização brasileira, simultaneamente, aglutinou e segregou raças distintas, demonstram pensadores como Gilberto Freyre e Darcy Ribeiro, fazendo-se multirracial na constituição biológica e plurirracial na formação cultural, mas nem por isso vazia de preceitos distorcidos e preconceitos ostensivos, arraigados na (de)formação social da nossa gente.

Adotando a tonalidade da pele como principal fator de identificação racial, os exercícios sociais de segregação e integração, no mais das vezes, dividem o Brasil em negros e não-negros, adotando a dualidade como parâmetro de comportamento, seja quando adota medidas compensatórias, como a legislação sobre cotas raciais no ingresso universitário, seja no caminho oposto, como manifestações difamatórias observadas em eventos esportivos. Enfim, para o bem e para o mal, a sintonia racial no Brasil ainda é questão pendente, merecedora de atenção, reflexão, debate e análise.

Entre os compartimentos da organização social que se ocupam da temática, destaque para o espaço e o talento da arte, como demonstram quadros de Portinari, livros de Mário de Andrade, poesias de Castro Alves e músicas de Martinho da Vila, por exemplo. Nesse conjunto, o cinema tem um peso significativo, reunindo muitas e boas películas que projetam diferentes aspectos da questão racial.

Assim, considerando a recente comemoração da quarta edição (desde que virou lei) do Dia da Consciência Negra, em novembro, o Jornal da PUC-Campinas indica diversos filmes sobre relações raciais, incluindo ficção e documentários, pra gente pensar depois de assistir e debater depois de pensar.

CONFIRA:

“Barravento” (1962), Glauber Rocha.
“Congo” (1972), Arthur Omar.
“Em Compasso de Espera” (1973), Antunes Filho.
“O amuleto de Ogum” (1974), Nelson Pereira dos Santos.
“Xica da Silva” (1976), Carlos Diegues.
“O Poder do Machado de Xangô” (1976), Paulo Gil Soares.
“Cordão de Ouro” (1977), Antonio Carlos Fontoura.
“Tenda dos Milagres” (1977), Nelson Pereira dos Santos.
“Quilombo” (1984), Carlos Diegues
“Chico Rei” (1985), Walter Lima Jr.
“Jubiabá” (1987), Nelson Pereira dos Santos.
“Abolição” (1988), Zózimo Bulbul.
“A Negação do Brasil” (2000), Joel Zito Araújo.
“Brasil – uma história inconveniente” (2000), Phil Grabsky.
“Casa-Grande e Senzala” (2001), Nelson Pereira dos Santos.
“Milton Santos, pensador do Brasil” (2001), Silvio Tendler.
“Vista Minha Pele” (2003), Joel Zito Araújo.
“Filhas do Vento” (2004), Joel Zito Araújo.
“A Cidade das Mulheres” (2005), Lázaro Faria.
“Cafundó” (2005), Clovis Bueno e Paulo Betti.
“Casa de Santo” (2005), Antonio Pastori.
“Preto contra branco” (2005), Wagner Morales.
“Dança das Cabaças – Exu no Brasil” (2006), Kiko Dinucci.
“Atabaque Nzinga” (2007), Octavio Bezerra.
“Zumbi Somos Nós” (2007), Coletivo Frente 3 de Fevereiro.